quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Meu marido é uma só carne com a outra, e agora?

  
Por Douglas Pereira da Silva


O título deste artigo alude, as inúmeras indagações que surgem pelos grupos de WhatsApp e pelos blogs dedicados no ministério de restauração de casamento. Este simplório autor, já leu pela grande rede tais perguntas que são, ocasionadas, obviamente, pelas vicissitudes do processo e do desgaste emocional que o deserto proporciona aos que lutam militando pela Fé, em busca de restauração.

No entanto, a maior disfunção não são as dúvidas que surgem quanto ao tema, mas sim, as fontes pelas quais nossas irmãs – e também irmãos – estão buscando sanar, ou satisfazer – inúmeras vezes – tais dubiedades, a saber: Blogs de internet cujo administrador não conhece as doutrinas da graça, vídeos e áudios do YouTube, conselhos de pastores (pastores?) completamente desprovidos de conhecimento bíblico etc.

Esquecem-se, porém, que a maior fonte de autoridade que ditam os padrões de comportamento para nortear todo o nosso modo de viver, capaz de dissipar quaisquer dúvidas quanto à matéria de Fé, é a Sagrada Escritura, que, infelizmente, é um livro tratado com displicência em favor de conselhos equívocos, crassos e completamente alheios da sã doutrina e da Fé que foi dada aos santos.

Tal tragédia, justifica os inúmeros embustes doutrinários e crendices professadas pelo evangelicalismo brasileiro, sobre o tema da Restauração de Casamento.

Só para citar como exemplo, já temos: Transferência de espirito maligno, ligação de alma no ato sexual, o “uma só carne” no ato sexual com a OM (Outra Mulher) ou OH (Outro Homem) e tantas inépcias disfarçadas de ensino Bíblico, que não passam de um misticismo religioso, de um sincretismo pagão que adentraram de forma perspicaz para enganar o povo de Deus!

Bem, certamente os mentecaptos que ensinam esse despautério disfarçado de teologia, esposam seus equivocados argumentos no verso de 1° Coríntios 6:16, que diz: 
“Ou não sabeis que o que se ajunta com a meretriz, faz-se um corpo com ela? Porque serão, disse, dois numa só carne. ”
Com este único verso, muitos pastores (pastores?) tentam enfiar de goela abaixo, a ideia de que, se o marido está em um relacionamento adúltero com outra mulher, a legitima esposa não é mais uma só carne com o seu marido, mas sim a outra mulher que está mantendo relação sexual com o cônjuge adúltero.

Ora, será isso mesmo que o apostolo Paulo estava dizendo aos crentes da cidade de Corinto?

A resposta é, um ultrassonoro e, negritado em caixa alta, “NÃOOOOOOOOOOO”.

Basta olhar o contexto deste verso para extrair do texto a interpretação correta e fidedigna que o apostolo, pela inspiração do Espírito Santo, queria comunicar!

A expressão uma só carne (no grego εις σαρκα μιαν [transliterado para a língua portuguesa EIS SARKA MIAN]), é aplicado – ÚNICO E EXCLUSIVAMENTE – para pessoas SOLTEIRAS.

Paulo estava falando de pessoas solteiras que praticavam sexo sem o menor compromisso com a instituição família, e não com pessoas que eram casadas e cometiam pecado de adultério.

Basta ler todo o contexto e concluir esta inequívoca interpretação! Vejamos os versos seguintes do mesmo texto:

“Fugi da fornicação. Todo o pecado que o homem comete é fora do corpo; mas o que fornica peca contra o seu próprio corpo. ” (1 Coríntios 6:18).

Fornicação (no grego πορνεία [transliterado para a língua portuguesa PORNÉIA]) é pecado sexual entre pessoas SOLTEIRAS, e não pessoas já CASADAS.

Se assim não fora, o apóstolo Paulo teria dito Adultério (no grego μοιχεία [transliterado para a língua portuguesa MOICHÉIA]).

Outra evidencia indubitável que Paulo estava falado de pessoas SOLTEIRAS – e NÃO CASADAS – é o fato de extrair este ensino do Antigo Testamento. Lembrem-se que na época dos apóstolos, e também do Senhor Jesus, não existia o Novo Testamento tal como conhecemos hoje. A Bíblia dos cristãos primitivos eram as Escrituras Hebraicas. A coleção do Novo Testamento só foi organizada no concílio de Nicéia em 325 d.C., e posteriormente ajustado no século XVI no concílio de Trento – época do reformador alemão Martinho Lutero.

Paulo estava facultando este ensino, do texto de Deuteronômio 22:28-29, que diz:

“Se um homem se encontrar com uma moça sem compromisso de casamento e a violentar, e eles forem descobertos, ele pagará ao pai da moça cinquenta peças de prata e terá que casar-se com a moça, pois a violentou. Jamais poderá divorciar-se dela”.

Conclusão


A Sagrada Escritura chama de ADULTÉRIO, quando um homem ou mulher que estão em matrimônio, mantém casos sexuais extras conjugais – e não UMA SÓ CARNE!

Entrementes, o marido ou a esposa que vive a desventura de um adultério, já se tornou UMA SÓ CARNE com o legítimo cônjuge, quando:

1-  Deixou o pai e a mãe (atente-se nesta informação bíblica! Deixou o pai e a mãe, isto é, deixou de ser solteiro! NÃO É deixou a esposa e os filhos para viver com a OM!);

2-  Uniu-se com a sua mulher (Gênesis 2:24; Mateus 19:5; Efésios 5:31).


Isto posto, Deus que é três vezes santo (Apocalipse 4:8), jamais honrará e ratificara um relacionamento ADÚLTERO, muito menos, tornando-o NUMA SÓ CARNE.


Douglas Pereira da Silva

Teólogo 

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

No vale dos ossos secos Deus me deu vida e restaurou meu casamento



Amados quando Deus tem uma obra para fazer em nossa vida Ele faz, Deus não falha e cumpre tudo o que nos prometeu por meio da sua fiel palavra. O nosso Deus, o Todo poderoso mais uma vez cumpriu sua promessa e restaurou mais um casamento entre nós, não pelo nosso merecimento, mas somente para que seu nome e sua honra sejam glorificados.

"Agora estou prestes a ir pelo caminho de toda a terra. Vocês sabem, lá no fundo do coração e da alma, que nenhuma das boas pro­messas que o Senhor, o seu Deus, fez dei­xou de cumprir-se. Todas se cumpriram; nenhu­ma delas falhou" (Josué 23:14).

Estou muito feliz, pois tenho presenciado o agir de Deus de forma sobrenatural, não somente eu, mas todos que o buscam com sinceridade. A nossa irmã Mel contemplou a misericórdia e o amor do Pai em seu casamento, passou pelo deserto sendo moldada e conhecendo mais o reino dos céus, após entender todo o processo de cura pessoal, ela não mediu esforços para buscar a restauração do seu matrimônio. Seu relato é a prova verdadeira de que submetendo-se a vontade de Deus e esperando o tempo dEle em sua vida, o milagre acontece.

"Que Deus te abençoe minha amiga, essa é a prova fiel de que Deus te ama incondicionalmente"

Sol
................................................................................................................

A mão do Senhor estava sobre mim, e por seu Espírito ele me levou a um vale cheio de ossos. Ele me levou de um lado para o outro, e pude ver que era enorme o número de ossos no vale, e que os ossos estavam muito secos. Ele me perguntou: “Filho do homem, esses ossos poderão tornar a viver? Eu respondi: Ó Soberano Senhor, só tu o sabes. Então ele me disse: Profetize a esses ossos e diga-lhes: ossos secos, ouçam a palavra do Senhor! Assim diz o Soberano Senhor a estes ossos: farei um Espírito entrar em você, e vocês terão vida”. (Ezequiel 37: 1-5)
Inicio com essa passagem maravilhosa que por muitas noites me fez refletir sobre o que Deus queria realmente de mim... ME DAR VIDA... E falo “deserto é lugar de passagem e não de morada, o deserto não é o fim e sim o início de nossa benção”.

E é com grande alegria que hoje anuncio que contemplei o monte, cheguei até aqui depois de ter enfrentado um deserto árduo, mas, com Deus ao meu lado. Enfrentei muita coisa, mais tinha uma força e uma FÉ que me fortalecia dia após dia, tive que ser quebrada, moída para ser um vaso novo e hoje vejo e admito o quanto precisei passar por esse processo para me modificar de dentro para fora, tem certas coisas que no momento não entendemos, mas, quando adquirimos consciência e maturidade principalmente espiritual, conseguimos ver as coisas de uma outra forma.

Vou contar resumidamente um pouco da minha história, comecei a namorar meu esposo em 2008, namoramos, noivamos e casamos, ele sempre cedeu muito na nossa relação e eu sempre achava que desse modo era o correto, que minha vontade sempre tinha que prevalecer. Nesse período ele sempre fazia de tudo para me agradar e realizar os meus sonhos, deixando de lado os dele, com o passar do tempo foi se frustrando, pois não via em mim uma companheira para partilhar também os seus anseios. 

Após casarmos e assumirmos nossa vida sozinhos, nossa imaturidade em lidar com o casamento (emocionalmente, financeiramente) falou mais alto, eu não assumi meu papel de esposa, era omissa, egoísta, estava vislumbrada apenas com o fato de “ser casada” e ter uma “casa nova” para cuidar, ele também não assumiu o papel de esposo (mas, não cabe a mim julgar).

Nesse período vieram as brigas, desentendimentos, ele sempre fazia pedidos de mudança de postura (que nunca ocorreram verdadeiramente da minha parte), com tudo isso o esfriamento e afastamento pouco a pouco foi inevitável, vieram as mentiras, as desculpas para chegar mais tarde em casa, na verdade o lugar que ele menos queria ficar era em casa, pois não tinha paz. Com 3 anos e meio de casados descobri que deixei a porta aberta e uma brecha para o inimigo entrar, como meu casamento não andava bem, pois tínhamos muitos problemas financeiros e imaturidade em lidar um com o outro, ele buscou em outra mulher (om) o que sua esposa não era capaz de lhe dar. 

Quando descobri, teve mais uma vez muita imaturidade da minha parte, pois briguei com ele, contei para amigos e família, não usei as armas certas para solucionar e entender tal problema, não suportei tamanha dor e pedi que saísse de casa, isso aconteceu em julho de 2016, ele foi morar sozinho (não teve apoio da família) pensei que seria o melhor para cada um, pois não admitia passar por isso, estava cega de ódio e rancor, ele também, pois me disse que eu nunca olhei para ele com amor, zelo e carinho, que era o mínimo que ele sempre esperou de mim (sempre o colocava em 2º plano para tudo). Minha tão sonhada casa ficou vazia, e após cair em mim, percebi que entrava no deserto, me vi sozinha, sem amigos, sem ninguém, fui humilhada, envergonhada, mal conseguia ir para o trabalho e para casa dos meus pais, emagreci, noites sem dormir.

Com o passar do tempo fui ganhando força e pessoas para me ajudarem (mãe, irmã, sogra, 4 amigas) as demais pessoas só queriam saber como eu estava para saciar suas curiosidades, durante 3 meses bati muito cabeça, pois ainda não entendia a situação que estava passando e também continuava imatura e de pouca FÉ. Tentei por diversas vezes agir com minhas próprias mãos, ele afirmava que não voltaria e que estava muito feliz, mesmo assim me veio em mente buscar na internet ajuda ou relatos de pessoas que estavam passando pelo mesmo processo. Foi aí que vi quantas pessoas estavam sofrendo e uma palavra me chamou a atenção “RESTAURAÇÃO”, me aprofundei nas pesquisas, lia testemunhos, conheci o livro “Como Deus pode e vai restaurar seu casamento”, li e cai em mim que tinha feito muita besteira durante todo o tempo, me envergonhei muito, dessa vez comigo mesma, pois as escamas dos meus olhos tinha caído e percebi como eu fui tola. 

Lembro-me quando pedia a Deus alguém para me amar e me cuidar e quando ele mandou eu simplesmente esnobei por anos. Nesse período conheci uma pessoa querida na internet após ler seu testemunho que me ajudou muito, a Dani, o testemunho dela parecia ser ela narrando minha situação, passamos a nos falar com frequência e hoje somos muito amigas. Comecei a buscar a Deus, orar, ler a palavra (fazia do meu jeito) comecei a entender mais sobre deserto, suas fases, oração, entrega, jejum. Foi aí que fiz meu primeiro jejum (sozinha sem orientação, fiz como meu coração me guiou) lembro-me como se fosse hoje, era dia 26/10/16, fiz o jejum do cerco de Jericó e na primeira noite pedi orientação a Deus e foi aí que tive a primeira resposta: uma passagem da Bíblia e um vídeo que recebi de uma pessoa que não sabia nada que estava acontecendo. 

"Naqueles dias Ezequias adoeceu de uma enfermidade mortal; e veio a ele o profeta Isaías, filho de Amós, e lhe disse: Assim diz o SENHOR: Põe em ordem a tua casa, porque morrerás, e não viverás. Então virou Ezequias o seu rosto para a parede, e orou ao Senhor, e disse: Ah! Senhor, peço-te, lembra-te agora, de que andei diante de ti em verdade, e com coração perfeito, e fiz o que era reto aos teus olhos. E chorou Ezequias muitíssimo. Então veio a palavra do Senhor a Isaías, dizendo: Vai, e dize a Ezequias: Assim diz o Senhor, o Deus de Davi teu pai: Ouvi a tua oração, e vi as tuas lágrimas; eis que acrescentarei aos teus dias quinze anos, e livrar-te-ei das mãos do rei da Assíria, a ti, e a esta cidade, e defenderei esta cidade. E isto te será da parte do Senhor como sinal de que o Senhor cumprirá esta palavra que falou. Eis que farei retroceder dez graus à sombra lançada pelo sol declinante no relógio de Acaz, assim retrocedeu o sol os dez graus que já tinha declinado" (Isaías 38:1-8).


video


A partir desse dia, decidi buscar verdadeiramente a restauração do meu casamento, com as armas certas e tendo Deus como meu alicerce. Quando as avalanches de emoções ruins passaram de ambas as partes, começamos a ter mais contato (nunca perdemos na verdade) mesmo ele estando com om. Na primeira oportunidade pedi perdão por todos os meus erros, passamos o Natal juntos com a minha família, meu aniversário também. 

Em fevereiro em umas das buscas na net por auxílio encontrei o blog da Sol, o Restaurar Casamentos, após entrar em contato me recepcionou e me adicionou no grupo Restaurar, nesse período começou meu crescimento e meu verdadeiro encontro com Deus, Ele sempre esteve presente comigo em cada angústia, cada noite sozinha, cada lágrima derramada, Ele sempre encontrava uma maneira de me dizer aguenta firme, pois você será recompensada e honrada. No grupo pude aprender muito, em como me colocar em oração da maneira certa, jejuar da maneira certa, me calar quando necessário, ah como o silêncio é necessário, até o de Deus (quantas vezes te questionei hein Senhor?).

O grupo se tornou para mim uma família, foi no grupo também que aprendi que antes de qualquer coisa eu precisava ser tratada e modificada, conhecia Deus superficialmente, mesmo sendo da igreja desde pequena, nunca me dediquei a Ele como deveria, precisava ser tratada como um todo (filha, irmã, amiga, esposa, profissional) ainda estou sendo lapidada por Deus, mas consigo hoje reconhecer todos os meus erros, admiti-los e com empenho corrigi-los, não é uma tarefa fácil, mais tenho me empenhado bastante.

Meu esposo começou a ver algumas mudanças em mim, por diversas vezes me prometeu voltar e toda promessa não cumprida me frustrava muito, sabia que estava opresso e não conseguia se libertar, mesmo tentando. Busquei mais e mais em oração por cura e libertação dele e do nosso casamento, pedia para Deus fazer a sua vontade na nossa vida, mas, não queria mais ser envergonhada e humilhada diante da situação que se arrastava. Em junho a om divulgou fotos dos dois na rede social, fiquei arrasada, pois ele não permitia exposição, já estava emocionalmente mexida, pois nesse mesmo período minha irmã passava por um problema de saúde e estava dando apoio, não falei nada para ninguém, apenas orei muito. No dia 18/07/2017 fui para a igreja e me entreguei, me rendi de uma forma diferente, Deus falava comigo a todo tempo do início ao fim, quando cheguei em casa mandei uma mensagem para minha irmã relatando o que sentia, e ela me falou: “Sonhei essa noite que éramos abençoadas e que o milagre iria acontecer e que Deus abençoava seus olhos”. 

Fiquei com esse relato na mente, no dia seguinte ao olhar a rede social vi que as fotos não estavam mais lá, que o status não existia mais “em relacionamento sério” na página da om, fiquei em êxtase e tão somente agradeci ao Senhor, também não falei nada a ele, permaneci em silêncio. Na semana seguinte a esse ocorrido o grupo Restaurar iniciou mais um jejum, dessa vez o Jejum das Cartas, onde fazíamos pedidos e durante 3 dias jejuávamos. Fiz o jejum e para minha surpresa um dia após recebi uma mensagem no celular: irei voltar para casa, mas, terei que resolver algumas coisas antes e só poderá acontecer a mais ou menos um mês. Fiquei calada e em oração, pois já tinha me frustrado com outras promessas de volta, mesmo dessa vez ter sentido que Deus estava operando, permaneci em silêncio e pedia todas as noites que Deus operasse e fizesse apenas a sua vontade. 

E sua vontade se concretizou, meu esposo voltou nesse fim de semana para casa, nesse período conversamos muito sobre nossos erros e o que não queríamos que voltasse a acontecer, estamos com muitos planos de crescimento pessoal, profissional, crescimento da família, apresentei todos os planos para Deus para que Ele opere e faça tudo no tempo certo e na hora certa. Sei que a batalha não acabou, tenho que terminar de ser lapidada para me tornar uma pessoa melhor, sei que Deus tem que terminar a obra e libertar por completo meu esposo e convidá-lo a conhece-lo verdadeiramente, mas, hoje tenho a consciência que sem Deus eu não sou nada e que Ele sempre será o alicerce das nossas vidas.

Com tudo isso gostaria de agradecer a Deus primeiramente por me resgatar e ter me mostrado a sua face e ter lutado por mim e ter me dado forças por lutar pela minha família, a toda a minha família que confiaram em mim, rezaram por nós (mãe, irmã, sogra), a Dani e a Sol por toda paciência, por todo conselho, por toda escuta e aconselhamento.

A todos que estão atravessando o deserto, não desanimem, não desistam de suas famílias, Deus opera no impossível e quer de nós apenas obediência, meu deserto durou 1 ano e 2 meses, não olhem as circunstâncias em que estão passando, olhem para Deus e peça para serem tratados onde precisam ser, só após conseguir enxergar todos os meus erros, parar de me vitimar e permitir ser tratada é que comecei a ver Deus transformando a minha vida para consequentemente operar no meu casamento e colocar as coisas no lugar.

Deixo aqui algumas passagens que Deus me deu para me sustentar, me dar paz e me dizer a VITÓRIA É SUA!

Ezequiel 37, 1-14; Salmo 107; Efésios 6, 10-17; João 11, 1-16; Ezequiel 36; Provérbios 31, 10-31; Salmo 126; Macabeus 10, 1-4; Esdras, 10, 1-17; Crônicas, 20; Isaías 38, 1-8.

Fiquem com Deus!

Mel Fernandes
mel.restauracao@gmail.com




sábado, 2 de setembro de 2017

Tudo vai bem.....


Como você está? Como tem passado? 

— “Tudo vai bem”

Quantas vezes você fez como Sunamita? Escondeu suas dores, encobriu suas feridas e deu um largo sorriso para demonstrar que tudo estava na mais perfeita harmonia. Foram muitas, não é? Eu bem sei o que é isso, é estar despedaçada por dentro e mesmo assim, sorrir para não demonstrar o sofrimento e a angústia na alma. 

Para quem não conhece, Sunamita era uma grande mulher temente a Deus que morava na cidade de Suném (por isso, Sunamita em referência a sua cidade, seu verdadeiro nome não é citado na bíblia) entre os montes de Gilboa e Tabor, ao norte do Vale de Jezreel, justamente o caminho de passagem do profeta Eliseu e seu discípulo Geazi ao monte Carmelo, lugar que recolhiam-se para oração e santificação. Compadecida pelo profeta e seu discípulo em não terem lugar para descanso, ela conversa com seu esposo e o convence a construir um quarto em sua própria casa para os abrigarem e os alimentarem. Sunamita percebia em Eliseu um santo homem de Deus.

Vendo tamanho apreço por eles e sem pedir-lhes nada em troca, Eliseu pergunta a Sunamita se havia algo que pudesse fazer para retribuir por todo o bem que ela os concedia, e se houvesse algo, ele intercederia ao rei. Sunamita responde-lhe apenas: “Eu habito no meio do meu povo” (2º Reis 4:13), como se diz: “Não necessito de nada, aqui com meu povo tenho tudo”. Notando que ela não tinha filhos e que seu marido já era de avançada idade, o profeta Eliseu pede a Deus para agraciá-la com um filho.

Sunamita abraçou o seu filho tão almejado, tendo ele já crescido, morre em decorrência de uma forte insolação. Desolada e por certo sentindo uma grande tristeza, ela não se lamentou, não se revoltou contra Deus e muito menos murmurou, apenas deitou o filho na cama do profeta e foi a sua procura ao monte Carmelo, cerca de 24 horas dali. Ela chamou seu marido e disse-lhe que ia ter com o profeta Eliseu sem contar-lhe o acontecido, o marido perguntando porque iria naquele dia, ela simplesmente responde “tudo vai bem”, e por onde passou dizia: “tudo vai bem”. Ela era a verdadeira mulher crente que mesmo dilacerada por dentro, não perdia a fé em Deus e confiava piamente que a vida do seu único filho seria restabelecida.

Como pode? Que confiança é essa? Que fé é essa? Qual o segredo de tamanha crença? 

A resposta é Deus.... Sunamita confiava em Deus e isso era real, era visível e extraordinário. Quantas vezes nos sentimos como Sunamita, com nossos sonhos mortos, com a tristeza latente e com um grito preso à garganta? Quantas vezes precisamos esconder nossos sentimentos, nossas frustrações para não transparecermos a outras pessoas? É difícil, mas temos que confiar cegamente no Senhor e na sua providência, e te garanto que com essa conduta, você estará no caminho certo e prestes a receber seu milagre.

Por muitas vezes meu sorriso era somente externo, um sorriso falso, sem brilho e sem cor, no entanto, minha confiança estava alicerçada no meu Deus que não se ausentou em nenhum minuto, permaneceu sempre lado a lado comigo e por muitas vezes me carregou no colo durante meu percurso no deserto. Quando meus amigos e minha família perguntavam-me como eu estava, “tudo vai bem”, essa era minha resposta, eu estava como Sunamita, feliz por fora, triste por dentro e com uma fé inabalável em Deus.

Meu lar estava triste, nossa família em frangalhos, meu esposo longe de casa e minhas filhas presenciando todo meu sofrimento. Foram dias, meses, passou-se um ano e... “tudo vai bem”, ow glória!!! A fé inabalável nos que confiam no Senhor, “Os que confiam no SENHOR serão como o monte de Sião, que não se abala, mas permanece para sempre” (Salmos 125:1). Os tempos foram passando e minha fé amadurecendo, contemplei inúmeros milagres vindo da parte de Deus, caminhei léguas no deserto ardente, mas no fundo a minha alegria tinha regressado, pois aprendi a alegrar-me nas pequenas coisas. Descansei nos braços do pai, por mais difícil que era a caminhada, repousei-me em “Sunem”, fui aos montes santificar-me, busquei verdadeiramente o reino dos céus e abriguei-me no “monte Carmelo”.

Em meio a grandes tempestades, dias tenebrosos, noites frias e escuridão, enxerguei a luz de Jesus Cristo, alcancei a plenitude da fé e obtive a minha vitória, meu casamento restaurado, minha família novamente reunida; assim como Sunamita que recorreu ao profeta e obteve o milagre da vida do filho. Qual o milagre que você precisa no dia de hoje? Qual a sua petição? “E Jesus lhes disse: .... se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: Passa daqui para acolá, e há de passar; e nada vos será impossível” (Mateus 17:20).

Te convido a deixarmos de lado nossa insignificância como seres humanos errantes que somos, e buscarmos as coisas do alto de todo coração, com sinceridade. Deus nos conhece e sabe das nossas falhas, imperfeições e medos, por ser misericordioso e “pai”, Ele nos ama incondicionalmente e nos socorre quando clamamos. Confie, entregue-se e creia que nada é demasiadamente difícil para o Senhor, sua causa não está perdida, mesmo que aos seus olhos pareça morta, o nosso Deus é capaz de trazer a vida, de abundar e superabundar a graça do seu filho Jesus Cristo. 

Confiemos sem desanimar!!!! Que Deus abençoe a todos que o buscam de puro coração!!!

Fique na paz!!!

Sol